A costureira que transformou paixão da infância em negócio de sucesso – Blog da Costura

Se você quer Ganhar Dinheiro com Costura, clique aqui e veja a história da Solange Pereira!




Blog da Costura

A costureira que transformou sua paixão por costura em um negócio de sucesso

Há aquelas mulheres que veem o poder da colaboração e decidem unir forças em empreendimentos coletivos. Participar de um grupo de costureiras oferece benefícios que vão além das habilidades individuais. Compartilhar recursos, conhecimentos e experiências não apenas enriquece o ambiente de trabalho, mas também pode resultar em projetos mais complexos e diversificados. Além disso, a cooperação no campo da costura pode levar a uma clientela mais ampla, uma vez que o grupo pode oferecer uma gama mais abrangente de serviços.

O cérebro por trás do Galpão da Moda é Elane Lima, uma empreendedora de 37 anos que transformou sua paixão de infância em um negócio de sucesso. Com 15 anos de experiência no mercado da moda, ela compartilha que desde muito nova já era apaixonada por costura, mas nunca imaginou que viveria disso. “Graças a Deus, deu tudo certo, e hoje tenho todos esses anos de mercado, sendo os últimos cinco dedicados exclusivamente ao meu ateliê de costuras”, conta Elane, que inicialmente começou com uma loja e ateliê, mas decidiu focar apenas na costura, um segmento que a encanta e considera promissor.

Ao longo dos anos, a empreendedora enfrentou desafios para encontrar sua verdadeira vocação. A priori ela manteve uma loja de roupas com um ateliê agregado, mas não deu muito certo. Foi quando decidiu cancelar a loja e se dedicar apenas à costura que as coisas começaram a fluir. Mas o processo de adaptação, no entanto, não parou por aí.

A pandemia trouxe novos desafios, levando Elaine a se reinventar: “Trabalhávamos com roupas sob medida, especialmente vestidos de festa. Com o período pandêmico, as festas deram uma pausa, e foi então que decidi começar a fazer uniformes empresariais. Deu super certo, e hoje atendo a muitas empresas locais e até de outras cidades”, destaca.

Questionada sobre os desafios enfrentados na época que ainda trabalhava como costureira, ela menciona a dificuldade na precificação e na valorização do trabalho manual, mas também bate na tecla de que o preço é crucial, e muitas pessoas não dão o devido valor ao trabalho da costureira. Elane compartilha sua perspectiva sobre costureiras independentes, compreendendo as dificuldades que enfrentam. “A precificação prejudica bastante essas pessoas. É um trabalho manual delicado, mas as pessoas não valorizam. Por isso, no meu ateliê, focamos em uniformes empresariais e ajustes, fazendo parcerias com lojas locais”, explica a empreendedora.

Como a tecnologia pode ajudar uma costureira?
Quais as melhores máquinas de costura para começar um ateliê?
Tendências de moda para quem trabalha com confecção de roupas

(Thays Araujo)

Saiba Mais

Ceará Máquinas – Costureira
Ceará Máquinas – Máquina de Costura
Ceará Máquinas – Confecção

Onde Ver Mais

Revista Crescer – Mulher costureira de 100 anos é um dos primeiros casos curados do coronavírus na Itália

Caras Portugal – A costureira alemã que salvou os nórdicos do frio

Universa UOL – Costureira de 43 anos morre após ser atacada por cães ao voltar do trabalho



Algumas mulheres reconhecem a importância da colaboração e se unem em empreendimentos coletivos. Fazer parte de um grupo de costureiras traz benefícios que vão além das habilidades individuais. Compartilhar recursos, conhecimentos e experiências enriquece o ambiente de trabalho e pode resultar em projetos mais complexos. Além disso, a cooperação no campo da costura pode expandir a clientela, oferecendo uma gama mais ampla de serviços.

Elane Lima, fundadora do Galpão da Moda, é uma empreendedora de sucesso que transformou sua paixão pela costura em um negócio próspero. Com 15 anos de experiência no mercado da moda, ela decidiu focar exclusivamente na costura, um segmento que considera promissor.

A pandemia trouxe novos desafios para Elane, que precisou se reinventar e começar a fazer uniformes empresariais. Apesar das dificuldades enfrentadas como costureira, ela valoriza o trabalho manual e busca parcerias para valorizar seu trabalho e o de outras costureiras independentes.

(Adaptado de Thays Araujo)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *